Vereador Camilo Cristófaro diz que declaração na Câmara foi infeliz, mas que não cometeu racismo

Nesta quarta-feira, 4, o programa Morning Show recebeu o vereador Camilo Cristófaro (sem partido), que protagonizou fala considerada racista durante sessão na Câmara Municipal da capital paulista. Em entrevista, ele afirmou ter sido infeliz em áudio em que disse “Não lavar a calçada… Coisa de preto, né?”. “Não sou racista, foi uma fala infeliz. Nunca tive atitudes racistas, tanto é que meu gabinete é composto de pessoas afros. Netinho, da Brasilândia, Tamires, filha do Sabotage. Setenta por cento do meu gabinete é afro”, disse, enquanto apontava para os funcionários. Cristófaro afirmou não ter medo da possibilidade de cassação de mandato e que confia no êxito de seu trabalho. “Não tenho medo de ser cassado, minha fala não foi uma atitude. Os vereadores me conhecem. Eu sou uma pessoa que realizo e que trabalho. Faço pela periferia o que poucos fazem.”

Desfiliado do PSB, o vereador afirmou que, antes da polêmica, já havia entrado com pedido por saída da legenda. “Eu não fui abandonado pelo PSB, eu deixei o PSB em janeiro. Simplesmente pedi anuência para não perder o mandato. Deixei o PSB, pois não concordei com os caminhos que o partido está seguindo. Não fui abandonado, que fique bem claro isso. Vai me desfiliar com anuência. Significa que não perco o mandato”, esclareceu.  Cristófaro opinou que comentários como o dele fazem parte de um costume geracional que deve ser corrigido. “Infelizmente, as nossas gerações vêm com isso de chamar o Pelé de negão, nossa geração tem esse jeito de falar. É errado, temos que corrigir. Meus ídolos são negros: [Michael] Jordan, [Lewis] Hamilton, Pelé. Então, eu não sou racista. A punição que a gente tomar é o caso de a Câmara verificar. As vereadoras do PSOL sabem que eu não sou racista, elas convivem comigo no dia a dia.”

 


Fonte: Jovem Pan

Compartilhe