O deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) afirmou que irá concorrer ao Senado nas eleições de outubro e que está absolutamente elegível.| Foto: Fotográfo/Agência Brasil

O deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) afirmou que irá concorrer ao Senado nas eleições de outubro e que está absolutamente elegível. As declarações foram feitas na noite de segunda-feira (2), durante evento do partido em São Paulo. Segundo ele, o indulto concedido por Bolsonaro é pleno. Ele falou ainda sobre a importância em se eleger uma boa base no Senado para “uma boa briga”.

“Hoje o Senado, se fosse qualitativo, nós não teríamos senadores do nível que temos lá. Então a gente não pode acreditar na história de que a qualificação vai ser um diferencial. Primeiro a gente precisa ter o quantitativo com o qualitativo. Eleger uma base, pelo menos uns 12 senadores, para tenhamos uma boa briga e força”, afirmou o parlamentar. “Ter um Senador forte é essencial para o Brasil”.

Em declarações ao Poder 360, ao ser questionado sobre o uso da tornozeleira eletrônica, o parlamentar afirmou que não está mais usando o aparelho e que está perdoado. “Qual tornozeleira? A que eu não deveria ter usado? Só poderia ter colocado após a deliberação da Casa (Câmara). Isso é claríssimo pelo regimento e pela ADI 5.526. Nunca deveria ter sido submetido a ela. Portanto, estou sem ela, ainda mais depois de perdoado. Não há o que se contestar mais”, disse Silveira.

Ontem o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), prorrogou por mais 60 dias o inquérito instaurado para apurar as supostas irregularidades no uso da tornozeleira eletrônica por parte de Silveira. O pedido foi feito pela Polícia Federal (PF). Para a defesa do parlamentar, “a graça concedida pelo presidente extinguiu todas as penas e demais acessórias (multas e restrições a direitos). O uso da tornozeleira eletrônica foi determinado judicialmente; ela foi instalada em 31 de março, mas está desligada desde o dia 17.