Saiba quem é João Roma, o ministro de Bolsonaro que não dorme direito há uma semana e que ajudou a salvar milhares de vidas baianas

O incansável ministro da Cidadania, João Roma, desde as primeiras horas das enchentes baianas, tem se mostrado um incansável ministro e não arredou o pé da sua terra. Praticamente sem dormir, Roma acompanha cada equipe, verifica insumos, pede ajuda a outros colegas e teve apoio irrestrito do governo federal, principalmente de Rogério Marinho, que esteve quase que 24 horas ao lado do ministro baiano.

Resiliência não faltou a Roma e sua equipe, seguindo orientação do presidente Bolsonaro, não deixou ninguém para trás, conseguiu trazer 90 médicos para as regiões afetadas. O Ministério da Defesa participou também com uma logística gigante e muitas vidas foram poupadas pelo trabalho incansável de João Roma e sua equipe.

O ministro João Roma também se reunirá com gestores políticos da região e pretende traçar outras ações do governo federal para apoio aos prejudicados pelos temporais. No início da tarde, o ministro concederá entrevista coletiva na prefeitura de Ilhéus.

Uma das ações divulgadas pela União é o repasse de recursos aos municípios para estruturar os espaços montados para acolhimento das pessoas desalojadas e desabrigadas, no valor médio de R$ 400 por pessoa.

Cestas de alimentos também serão entregues em região em situação de vulnerabilidade. A estimativa inicial é de que 32 mil cestas sejam doadas.

João Roma esteve também em Nazaré das Farinhas, a cerca de 200 km de Salvador, e visitou as imediações do Rio Jaguaripe, que corta a cidade, e comentou sobre a situação após o aumento do nível da água por causa da chuva.

“Como vocês conseguem observar, subiu muito o nível do Rio Jaguaripe. A água invadiu muitas casas. Pessoas desabrigadas, muita destruição também em toda área rural. São pontes destruídas, bueiros, estradas vicinais. Mas o que estamos focando nesse momento é preservar vidas”, comentou.

Cada detalhe foi catalogado. O governo Bolsonaro não deixou escapar uma garrafa de água sequer enviada, em um planejamento para um cenário de guerra. Médicos e bombeiros do país inteiro foram direcionados para o local. Confira o levantamento: