Saiba como serão as comemorações dos 70 anos de reinado da rainha Elizabeth II

De quinta-feira, 2, até domingo, 5, o Reino Unido vai estar em festa para celebrar o Jubileu de Platina da rainha Elizabeth II que completa 70 anos de reinado. Para comemorar essa data, mais de 200 mil eventos foram planejados e vão contar com milhões de participantes e bilhões de telespectadores. Aos 96 anos, a monarca, que é a sexta mulher a assumir a Coroa britânica, supera o recorde da rainha Vitória, sua tataravó, e se torna a primeira a conseguir celebrar um Jubileu de Platina. Moeda personalizada, desfiles, missa de ação de graça, shows e piqueniques estão entre as atrações que podem ser apreciadas por quem estiver lá. O evento será transmitido ao vivo pela pela BBC e Sky.

Prevista para começar na quinta-feira, às 10h (6h em Brasília), as celebrações vão ter início com um desfile entre o Palácio de Buckingham e a praça da Horse Guards Parade, para o tradicional “Trooping the Colour”, ou “Desfile do Estandarte”, que marca anualmente o aniversário do Soberano Britânico há mais de 260 anos. Ao todo, mais de 1.500 militares, 400 músicos e 250 cavalos darão início aos festejos. A saída da família real para o desfile está prevista para acontecer 30 minutos depois do início das celebrações. 

Para finalizar o desfile, cerca de 70 aviões da Força Aérea, incluindo a patrulha acrobática Red Arrows, vão sobrevoar o Palácio de Buckingham durante seis minutos. Na sequência, a monarquia vai aparecer na sacada do Palácio de Buckingham. O primeiro dia vai ser o mais longo, até porque é quando Elizabeth celebra os 70 anos de reinado. Outras atrações estão programadas, como: disparo de salvas de canhão em Londres e em todo Reino Unido, assim como a partir dos navios da Marinha real em alto-mar; 2.800 sinalizadores vão ser acesos no Reino Unido, ilhas do Canal da Mancha, na Ilha de Man e nos territórios britânicos de ultramar. Homenagens similares acontecerão nas 54 capitais da Commonwealth – de Tonga e Samoa, no Pacífico Sul, a Belize, no Caribe. As pontes sobre o rio Tâmisa em Londres serão iluminadas, assim como a emblemática Torre BT da capital e várias catedrais da Inglaterra.

Na sexta-feira está programada uma missa de Ação de Graças que será realizada na Catedral de São Paulo, cujo grande sino, denominado Grande Paulo, o maior do país, com 16,5 toneladas, será tocado durante o culto, em um ato raro. O sino, que foi restaurado em 2021, existe desde 1882 e estava silenciado desde 1970 devido a problemas mecânicos. No sábado, terceiro dia de festa, ao lado de outros membros da Família Real, Elizabeth II vai presenciar a tradicional corrida de cavalos no hipódromo de Epsom Downs, prevista para começar às 16h30.

De noite será realizada uma festa no Palácio e os anfitriões, Kirsty Young e Roman Kemp, farão a cobertura ao vivo da festa do Jubileu de Platina no Palace, que será transmitida por toda a rede BBC. Na programação de espetáculos estão nomes como: Queen & Adam Lambert, Elton John, Diana Ross, Rod Stewart, Duran Duran e Andrea Bocelli, entre outros. Cerca de 22 mil pessoas vão participar do evento, incluindo dez mil sorteados em uma votação pública e cinco mil trabalhadores.

Para fechar as festividades, no domingo será realizado um grande almoço do Jubileu. Mais de 60 mil pessoas se inscreveram para sediar essa parte do evento de jubileu, com apresentações que vão desde tentativas de recorde mundial para a festa de rua mais longa até churrascos no jardim. Espera-se que mais de dez milhões de pessoas em todo o Reino Unido participem das celebrações. Outro grande desfile está programado e prestará homenagem à monarca e à diversidade do povo britânico. A tradicional carruagem dourada será a principal atração da celebração que ainda vai ter um grande surpresa que não foi revelada. A rainha não está escalada para participar desse evento que culminará com o canto do tradicional hino “God Save the Queen”, com um coral gospel ao som da Banda dos Royal Marines de Sua Majestade e um show de imagem dará vida a momentos icônicos do reinado de Elizabeth e das mudanças sociais dos últimos 70 anos.

 


Fonte: Jovem Pan

Compartilhe