Recuperado, Eriksen diz que ‘morreu por cinco minutos’ e mira Copa do Mundo de 2022

O dinamarquês Christian Eriksen concedeu sua primeira entrevista desde que sofreu uma parada cardíaca, há cerca de sete meses, em partida entre Dinamarca e Finlândia, válida pela primeira rodada da fase de grupos da Eurocopa. Em conversa com a emissora local “DR TV”, o meio-campista disse que “morreu por cinco minutos”, recordando o drama vivido no Estádio Parken, em Copenhagen. Emocionado, o armador agradeceu o carinho do público e dos responsáveis por salvar a sua vida no campo. “Foi incrível que tantas pessoas sentiram que era preciso escrever ou mandar flores. Teve um impacto tão grande em tanta gente, e eles sentiram que era preciso eu e minha família saberem disso. No hospital, eles falavam a todo momento que eu tinha recebido mais e mais flores. Foi estranho, porque eu não esperava que recebesse tantas flores, porque eu morri por cinco minutos. Foi extraordinário, muito legal que todo mundo… E uma grande ajuda para mim receber todas essas boas vibrações. E as pessoas ainda escrevem pra mim”, disse.

Eriksen caiu desacordado em campo no dia 12 de junho de 2021. Reanimado, ele foi levado ao hospital e passou por uma cirurgia para implantação de um cardiodesfibrilador interno (CDI), que foi realizada com sucesso. Segundo o jogador de 29 anos, ele encontrou os médicos e os jogadores após o incidente. “Eu agradeci a quem encontrei pessoalmente. Agradeci aos médicos, meus colegas de seleção e seus familiares pessoalmente, mas todos os fãs que enviaram milhares de cartas, e-mails, flores, ou quem me abordou nas ruas na Itália e na Dinamarca, eu agradeci a todos eles pelo apoio. Recebi apoio do mundo inteiro, o que me ajudou a passar por tudo isso”, afirmou o atleta, que rescindiu com a Inter de Milão após ser impedido de jogar na Itália por conta do dispositivo implantado em seu coração.

Com a permissão para atuar em outras ligas, Eriksen não deu dicas sobre seu futuro, mas admitiu que deseja jogar a Copa do Mundo de 2022, marcada para acontecer no Catar, entre novembro e dezembro deste ano – a Dinamarca já está classificada para o Mundial. “Meu objetivo é jogar a Copa do Mundo do Catar. Eu quero jogar. Essa tem sido a minha mentalidade o tempo todo. É o objetivo, um sonho. Se eu vou ser escolhido, é outra coisa. Mas o meu sonho é voltar [para a seleção]. Eu tenho certeza que eu consigo voltar porque eu não sinto nada diferente. Fisicamente, eu estou de volta à minha melhor forma. Esse tem sido o meu sonho e ainda falta algum tempo [para a Copa]. Então, até lá, eu apenas vou jogar futebol e provar que estou de volta no mesmo nível. A seleção dinamarquesa é muito importante neste processo. Meu sonho é voltar a jogar com a Dinamarca no Parken e mostrar que aquilo foi um contratempo que não vai acontecer de novo”, finalizou o atleta, que faz treinos no Odense, clube onde atuou nas categorias de base, e também no clube suíço de Chiasso, não muito longe da fronteira italiana e de Milão, onde ainda tem residência.


Fonte: Jovem Pan

Compartilhe