Principal problema a ser enfrentado em SP nos próximos quatro anos é o desemprego, afirma Poit

O deputado federal Vinícius Poit (Novo-SP), pré-candidato ao governo do Estado de São Paulo, concedeu entrevista ao vivo nesta terça-feira, 11, para o Jornal da Manhã, da Jovem Pan News. Com possibilidades de concorrer as eleições com outros dois candidatos de centro e direita, disputando um eleitorado parecido, Geraldo Alckmin (sem partido) e Rodrigo Garcia (PSDB), Poit afirmou que se diferencia deles e poderia desbancá-los por apresentar mais convicção política, se comparado ao primeiro, e representar mudança diante do segundo. Para Poit, o maior problema a ser enfrentado nos próximos quatro anos pelo governo de São Paulo deve ser o desemprego.

“O principal problema [de São Paulo] é o emprego e isso quem diz são os paulistas. A gente sabe porque a gente escuta. A gente está acostumado com muito político que fala, que promete, que faz e acontece, mas não executa nada e não escuta a população. São Paulo vive o desemprego que afeta todo o Brasil, mas afeta principalmente São Paulo, que é o Estado motor da economia, o Estado que leva o PIB do Brasil para frente e está perdendo empresas, empregos e está com os jovens, principalmente os jovens de 16 a 24 anos, 25% desempregados, 1 em cada 4 sem perspectiva, sem futuro. Esse é o problema número 1 que a gente vai atacar, vai defender as empresas, defender a desburocratização, para retomar o protagonismo do nosso Estado”, afirmou. O deputado pontuou que ainda não possui um vice para sua chapa, mas que vem dialogando com outros partidos e que o escolhido não deverá apoiar o uso do Fundão para as eleições.

Sobre seus concorrentes, Poit atacou os melhores colocados nas pesquisas de intenção de voto, Alckmin e Rodrigo Garcia. “Falta convicção na política. O Alckmin decidindo se quer ser governador de São Paulo ou vice do Lula. Qual é a convicção? Uma pessoa que estava atacando o Lula até outro dia agora está querendo ser vice dele. Falta convicção. E convicção a gente tem de sobra no nosso mandato de deputado federal. Escolhi pelo partido menor, escolhi não usar o fundão, escolhi cortar todos os privilégios e vou manter isso até o fim. O vice-governador Rodrigo Garcia representa continuidade de um governo que está em São Paulo há 30 anos. Já deu. O Estado de São Paulo está com uma máquina inchada, 27 secretarias, quando dá para reduzir para 15 ou 16. Então, convicação, mudança de verdade e coragem para cortar na carne, reduzir o Estado”, afirmou. “Precisa coragem para reduzir a máquina, reduzir imposto, reduzir cargos para a gente ter uma população rica e não um governo rico e uma população pobre, que é o que esse governo fez”, finalizou Poit.


Fonte: Jovem Pan