Por que algumas pessoas acordam com dor de cabeça? Insônia pode ser causa

Nada como acordar pela manhã, abrir os olhos e sentir uma onda de dor invadindo sua cabeça. As cefaleias são uma condição recorrente na população, afetando principalmente mulheres.

Diversos são os fatores desencadeantes para essa condição, como uso de medicamentos, estresse, insônia, uso de bebida alcoólicas e períodos pré-menstruais.

Mas alguns desses gatilhos, principalmente os relacionados a hábitos e rotinas, podem ser modificados, melhorando ou mesmo extinguindo os episódios de dor de cabeça pela manhã.

Estresse e insônia podem estar entre causas da dor de cabeça ao acordarFonte:  Shutterstock 

Veja quais sãos os principais fatores e como melhorar sua rotina de sono, evitando os temidos episódios de dor de cabeça.

O que é dor de cabeça?

Ressaca, enxaqueca, cefaleia, em salvas, pulsante, as dores de cabeça recebem diferentes classificações dependendo da intensidade, localização, durabilidade, e crises em potencial.

Basicamente, é uma condição neurológica, em que há uma contração dos nervos e vasos sanguíneos no crânio. Essa condição dolorosa pode estar associada a distúrbios do sono, alimentação, uso de medicações, disponibilidade genética, entre outros fatores.

Por que sinto dor de cabeça pela manhã?

De acordo com alguns estudos, dentro do ciclo circadiano, quando nosso cérebro entra no estado de vigília, alguns receptores de dor ficam mais sensíveis, desencadeando as dores de cabeça, dependendo das condições do indivíduo.

As causas não são totalmente conhecidas, mas se sabe que pessoas com distúrbios de sono, de humor, com rotinas estressantes, problemas musculoesqueléticos, e até mesmo a posição no colchão, ou do travesseiro, podem ocasionar dores de cabeça pela manhã.

Os gatilhos mais recorrentes para essa condição são:

Insônia: Poucas horas de sono, ou mesmo, muitos despertares ao longo da noite, tem se demonstrado um fator de risco para o desenvolvimento das crises de dor de cabeça. A qualidade do sono acaba afetando estados fisiológicos normais do corpo, e desencadeando as cefaleias.

Ronco e apneia: Não se sabe ao certo como as pausas respiratórias e os roncos contribuem para o aparecimento da dor de cabeça. No entanto muitas pessoas que sofrem com as condições citadas, relatam sofrer com episódios de enxaqueca pela manhã. Acredita-se que esses distúrbios do sono também desencadeiam outras comorbidades, como depressão e insônia.

Depressão e ansiedade: Essas condições podem alterar hábitos de sono, como estar sempre alerta, ocasionando insônia, ou mesmo em estado de hipersonia, em que a pessoa passa muito tempo dormindo, o que por si só, já é outro fator desencadeante para dores de cabeça.

Distúrbios da articulação temporomandibular (ATM): A dor causada por essa condição, assim como o estresse na articulação, facilita para que os vasos e nervos do cérebro sejam estimulados a fazerem a contração, causando a dor de cabeça.

Bruxismo: A contração excessiva da mandíbula ocasiona em dor e o ranger de dentes. Além de ser um distúrbio do sono, o bruxismo também ocasiona problemas musculoesqueléticos.

Bebidas alcoólicas e medicação: O excesso de bebida alcoólica ou o uso de algumas medicações, interfere no estado fisiológico do organismo. A bebida alcoólica, por exemplo, pode causar desidratação, que é um gatilho comum para as dores de cabeça.

Como posso evitar as dores de cabeça?

É importante observar se as dores de cabeça são recorrentes. Caso você note que elas acontecem com muita frequência, o ideal é realizar uma consulta médica para que sejam avaliados os fatores envolvidos.

Como, por exemplo, para descobrir se você tem um sono de qualidade, ou mesmo se tem algum distúrbio do sono que você desconheça, pode realizar um exame de polissonografia. A partir dos resultados, você pode alterar hábitos de sono que irão evitar novos episódios de dor de cabeça.

Adotar hábitos de higiene do sono, como dormir e acordar sempre nos mesmos horários, evitar utilizar telas  ao menos uma hora antes de dormir, adormecer em locais com baixo ruído e escuros, pode ser um grande fator diferencial para o tratamento dos distúrbios do sono.

Além disso, exercícios físicos e alimentação saudável também podem ser uma excelente ferramenta. Esses hábitos irão auxiliar para a redução de estresse, melhora em tensões musculares, e regulação hormonal, sem a necessidade de medicação.

Sempre procure orientação médica para que você possa realizar o melhor tratamento, e para que possa desfrutar das suas manhãs sem dores e sem incômodos.

Veja a postagem original em: TecMundo

Compartilhe