Pior ano da carreira? Neymar acumulou lesões, amargou vices e teve números discretos em 2021

Neymar começou 2021 machucado, mas com a esperança de que poderia levar o Paris Saint-Germain a mais uma final de Liga dos Campeões da Europa. O camisa 10, entretanto, termina o ano novamente lesionado, amargando vices e com números discretos pelo clube. Sofrendo com problemas físicos, ele não conseguiu emplacar uma boa sequência de jogos, sendo ausência em quase 50% das partidas da equipe. Além da falta de títulos expressivos, o atacante brasileiro também esteve longe de faturar a cobiçada Bola de Ouro, tradicional premiação entregue pela revista “France Football” ao melhor do mundo — ele terminou na 16ª posição.

Representando o PSG, Neymar entrou em campo somente 33 vezes, perdendo 26 jogos, quase todos por questões físicas. Além de sofrer uma lesão no músculo adutor da coxa esquerda, no começo de 2021, o craque termina o ano com uma entorse no tornozelo esquerdo e deverá retornar aos gramados no fim de janeiro de 2022. Com o ritmo de jogo prejudicado, o atacante pouco pôde ajudar o Paris na última edição da Liga dos Campeões, quando o time foi eliminado pelo Manchester City. Fora de combate nas oitavas de final contra o Barcelona, o ele até participou das partidas contra o Bayern, nas quartas, mas acabou sendo ofuscado pelo companheiro Kylian Mbappé. Já diante do time de Pep Guardiola, o astro apresentou um rendimento abaixo do esperado.

Neymar também não teve sucesso no Francês 2020/2021, competição em que o PSG terminou na segunda posição, atrás do azarão Lille. Além da decepção por não ficar com o título pela primeira vez desde que desembarcou em Paris, em 2017, o atacante também ficou fora da seleção do campeonato, também elaborada pela “France Football” — Marquinhos, Keylor Navas, Di María e Mbappé estiveram no time ideal da competição, por exemplo. Assim, as únicas comemorações do brasileiro vieram nas conquistas da Copa da França e da Supercopa da França, torneios de menor relevância no cenário nacional.

Ao contrário do que mostrou do Paris Saint-Germain, Neymar teve um rendimento satisfatório durante os jogos da seleção brasileira em 2021. Nas Eliminatórias Sul-Americanas da Copa do Mundo de 2022, o atacante brilhou, sendo fundamental na classificação antecipada para o Mundial do Catar. Na Copa América, que acabou sendo disputada em território brasileiro, manteve o alto nível, mas acabou se despedindo da competição aos prantos. Na final diante da Argentina, no Maracanã, o craque até tentou, mas não conseguiu impedir a derrota para os “hermanos”, que celebraram um título após 28 anos graças a um gol marcado por Ángel Di María.

Jogos: 33
Gols: 14
Assistências: 9
Títulos: 2 (Copa da França e Supercopa da França)

Jogos: 13
Gols:
6
Assistências:
9
Títulos:
Nenhum


Fonte: Jovem Pan