Jair Bolsonaro acompanhado de Sergio Moro, à época ministro da Justiça, em fevereiro de 2020.| Foto: Marcos Correa/PR

O vice procurador-geral da República, Humberto Jacques, enviou ao Supremo Tribunal Federal manifestação favorável ao pedido feito pelo ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro para juntar ao inquérito que investiga suposta interferência na PF uma entrevista concedida pelo presidente Jair Bolsonaro à Gazeta do Povo. No parecer, Jacques afirma que Bolsonaro fez comentários sobre sua relação institucional com Moro quando este ainda estava no ministério e aponta que a entrevista é interessante para que o Ministério Público Federal formule sua opinião sobre o caso.

De acordo com Jacques, o material será analisado “em momento oportuno, conjuntamente com os demais elementos colhidos no curso da investigação”. A informação é do jornal O Estado de S.Paulo.

A entrevista em questão foi concedida pelo presidente Jair Bolsonaro ao programa Hora do Strike, publicada em 08 de dezembro. À Gazeta do Povo, o presidente afirmou que Moro “não fez absolutamente nada para que Coaf, para que Receita, não só bisbilhotasse a minha vida, como a de milhares de brasileiros”, citando, em seguida um de seus filhos e sua mulher, a primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

O presidente alegou ainda que as investigações eram irregulares e que, em reuniões, pedia a Moro que não deixasse que ele fosse “chantageado” por causa dessas investigações. “Eu sempre dizia na reunião de ministros: ‘Eu não quero ser blindado por nenhum de vocês, entendeu, Sergio Moro? Eu não posso admitir é ser chantageado, entendeu Sergio Moro?'”, disse Bolsonaro na entrevista, concedida à colunista Cristina Graeml e aos comentaristas de política Kim Paim e Gustavo Gayer.

Para a defesa de Moro, há “pontos que são de relevância para as investigações”.