Motivo de preocupação? Atacantes da seleção brasileira mudam de clubes às vésperas da Copa do Mundo 

Os atacantes da seleção brasileira estão sendo protagonistas nesta janela de transferências. Homem de confiança de Tite, Gabriel Jesus deixou o Manchester City após cinco anos e fechou com o Arsenal. Já Richarlison, figurinha carimbada em quase todas as listas de convocações do treinador da Amarelinha, trocou o Everton pelo Tottenham. Além deles, de acordo com notícias da imprensa europeia, Raphinha (Leeds) e Antony (Ajax) também são alvos de Barcelona e Manchester United, respectivamente. Isso sem contar com Neymar, que pode deixar o Paris Saint-Germain por desejo da diretoria do clube parisiense. Mas, afinal, como essas trocas podem impactar no rendimento da Canarinho na Copa do Mundo do Catar, marcada para acontecer entre 18 de novembro e 21 de dezembro?

As mudanças podem impactar os atacantes de maneiras distintas. Por um lado, Richarlison, Gabriel Jesus e companhia precisarão “mostrar serviço” em seus novos times, saindo da “zona de conforto” e chegando na Copa do Mundo com maior espírito de competitividade. Caso não tenham oportunidades rapidamente, no entanto, os brasileiros chegarão ao Mundial do Catar sem ritmo e com menor confiança. Para o comentarista Bruno Prado, do Grupo Jovem Pan, as movimentações do mercado da bola são naturais e não devem afetar o trabalho da comissão técnica da seleção brasileira. “Na seleção, a maioria tem uma posição consolidada. Hoje, a seleção é um time forte coletivamente e com um ambiente favorável. O que pode ser ruim é se o atleta não jogar no novo clube. Agora, se entrar em um revezamento, é normal. Se estiver jogando frequentemente, não tem problema nenhum. O problema é não se adaptar, jogar pouco e perder espaço na seleção”, declarou.

O comentarista do Grupo Jovem Pan, além disso, não acredita em uma possível saída de Neymar do Paris Saint-Germain. No entendimento de Bruno Prado, a duração do contrato do brasileiro com o clube e o alto salário do camisa 10 da seleção brasileira afastam os times interessados no jogador. Assim, a única preocupação seria com o condicionamento físico do atleta, que vem sofrendo com lesões nas últimas cinco temporadas. “O caso do Neymar é diferente. Enquanto o Richarlison está indo para um time melhor e o Gabriel Jesus quer jogar mais minutos, o Neymar tem um contrato com o PSG muito bom. Eu não acho que o Neymar deveria sair para jogar em outra liga. Em relação ao jogo, o problema dele não é esse. Ele não perde ficando no PSG, mas precisa não se machucar. O Neymar está muito motivado para a Copa, considera este o seu último Mundial e acredito que ele estará bem preparado. É só torcer para não ter lesão.”


Fonte: Jovem Pan

Compartilhe