Estudo: coronavírus perde 90% da força de transmissão pelo ar em 20 minutos

De acordo com um novo estudo realizado na Universidade de Bristol (Reino Unido), em apenas 20 minutos, o coronavírus SARS-CoV-2 perde a capacidade de infectar outros seres vivos em transmissão pelo ar. Inclusive, as novas descobertas sugerem que a maior parte do vírus deixa de ser efetiva já nos primeiros 5 minutos — foram usadas três variantes no estudo.

Assim, a proximidade entre as pessoas, especialmente se uma delas está com sintomas de infecção pelo coronavírus, representa o maior risco para a transmissão. As descobertas do estudo sugerem que o uso de máscaras e o distanciamento físico continuam sendo proteções importantes para prevenir a infecção.

As vacinas disponíveis gratuitamente no Brasil, todas aprovadas por especialistas, também são parte essencial do combate à pandemia por reduzirem as chances de infecção, doença grave e morte.

Os pesquisadores desenvolveram aparelhos que podem gerar partículas minusculas do vírus que levitam por até 20 minutos entre dois anéis elétricos. Nesse ambiente, eles também controlam a temperatura, umidade e até os raios ultravioleta da luminosidade — dessa forma, eles puderam entender como funcionam os aerossóis (partículas menores que gotículas) no processo de exalação.

O estudo foi divulgado pelo jornal britânico The Guardian no dia 11 de janeiro.

As máscaras continuam sendo muito importantes para diminuir infecções ao redor do mundoFonte:  Unsplash 

Os cientistas descobriram que a temperatura do ar não faz diferença para aumentar ou diminuir a capacidade de transmissão do vírus.

O estudo sugere que as partículas virais enfraquecem assim que deixam as condições úmidas e cheias de carbono dos pulmões e, então, o vírus começa a “secar” e a possibilidade de infectar células humanas pode ser interrompida após alguns minutos. A velocidade desse processo dependerá da umidade relativa do ar no ambiente.

Seco é melhor que úmido

Em lugares mais secos, como em muitos escritórios, o vírus perdeu até metade da sua força em 5 segundos. Já em uma sauna, por exemplo, 52% das partículas infecciosas permaneceram ativas por até 5 minutos. De qualquer forma, enquanto um indivíduo infectado permanecer no ambiente, o vírus continuará reabastecendo as proximidades.

“As pessoas estão focadas em espaços mal ventilados e pensando na transmissão aérea por metros ou em uma sala. Não estou dizendo que isso não aconteça, mas acho que ainda assim o maior risco de exposição é quando você está perto de alguém”, disse o diretor do Aerosol Research Center da Universidade de Bristol e principal autor do estudo, Jonathan Reid.

O estudo ainda não revistado por outros cientistas, requisito para ser publicado em revista científica.

Veja a postagem original em: TecMundo

Compartilhe