Em evento no Paraná, agro demonstra seu poder de mobilização

A agricultura tem um papel
fundamental para o desenvolvimento da humanidade, afinal o plantio e a colheita
de grãos permitiram ao homem primitivo deixar a vida nômade e,
consequentemente, formar as primeiras civilizações. Além disso, o agronegócio é
a base que sustenta a economia do Brasil. Hoje, 25% das riquezas produzidas
pelo país vêm do campo, que também é responsável por um quinto dos postos de
trabalho brasileiros e por mais de 40% de nossas exportações.

Muitas comunidades no interior do
Brasil surgiram e se mantém por causa da produção agrícola. É o caso do
Distrito de Entre Rios, localizado no Centro-Sul do Paraná, a 18 km de
Guarapuava. O lugar foi colonizado na década de 1.950 por imigrantes suábios,
que tiveram seu território expropriado durante a 2ª Guerra Mundial.

Os suábios são um povo de origem
germânica que migrou para o sudeste europeu, estabelecendo-se em territórios
que hoje correspondem a partes da Croácia, Hungria, Romênia e Sérvia. Durante
os quase três séculos que permaneceram na região, eles transformaram-na no
Celeiro da Europa. A vocação para a agricultura e a criação de uma Cooperativa,
através da organização humanitária Ajuda Suíça, fizeram com que, a partir de
1.951, centenas de famílias suábias deixassem a vida como refugiadas na Áustria
em busca de novas oportunidades no Brasil.

Passados 70 anos da imigração, a
comunidade local decidiu celebrar a cultura e as tradições de seus antepassados
e homenagear seus pioneiros com uma série de atividades, que aconteceram entre
os dias 5 e 9 de janeiro. O cultivo da terra, fio condutor do êxito dos suábios
no lugar que nominaram como Nova Pátria, não poderia ficar de fora das
comemorações.

O símbolo escolhido para representar essa história foi o trator. “O trator tem uma importância muito grande na mecanização agrícola, que hoje nos permite atingir grandes produtividades, gerando riquezas, emprego e renda”, explica o Diretor-Presidente da Cooperativa Agrária, Jorge Karl.

A princípio, a intenção dos
organizadores da Festa de 70 Anos de Entre Rios era realizar uma parada de
tratores. As máquinas seriam posicionadas na PR-540, no entorno das cinco
colônias que formam o distrito. Entretanto, as conversas evoluíram, e optou-se
fazer algo maior, que mostrasse o poder de mobilização do setor agropecuário.
Assim, nasceu o Mega Encontro de Tratores. “Calculamos que precisaríamos de
aproximadamente 1.500 tratores para ocupar o espaço de 25 km ao redor do
distrito. Foi quando surgiu a ideia de fazer um desfile, não apenas com os
produtores de Entre Rios, mas com convidados de diferentes regiões, com o
objetivo de demonstrar todo o esforço dos homens e das mulheres do campo, que,
apesar dos desafios diários, não desistem de suas atividades. Entramos em
contato com o Sindicato Rural de Guarapuava, que prontamente nos atendeu, e
começamos a movimentação em busca de tratores”, comenta Karl.

O Mega Encontro de Tratores

| Divulgação

Para bater a meta de 1.500
tratores, o evento contou com o apoio de embaixadores. Coube a esse grupo,
formado por 40 produtores rurais, incentivar outros agricultores a participar
do Mega Encontro. Eles ainda foram responsáveis por um ou mais lotes de
tratores, cuidando do transporte das máquinas até Entre Rios, dos locais para
acomodá-las e ainda por repassar informações sobre o funcionamento do desfile.

Junto com os embaixadores, outras 50 pessoas estiveram diretamente envolvidas na organização do evento. Ficou a cargo dessa equipe monitorar as inscrições, fiscalizar a documentação dos tratores inscritos e oferecer suporte aos participantes. As forças de segurança locais (Polícia Militar, Polícia Rodoviária Estadual, Polícia Rodoviária Federal, Exército Brasileiro, Corpo de Bombeiros e Secretaria Municipal de Trânsito) também deram apoio à realização do encontro, auxiliando no transporte de tratores e fazendo a sinalização das vias interditadas pelo desfile.

A data escolhida para o Mega
Encontro de Tratores foi 07 de janeiro. Às quatro da manhã, 1.534 tratoristas começaram
a posicionar suas máquinas para cumprir um percurso de 3,5 km, passando pelas
colônias Socorro, Cachoeira e Vitória. A largada foi dada perto das nove horas
e levou aproximadamente três horas para que todos os veículos agrícolas completassem
o trajeto.

Enquanto o desfile acontecia, os
moradores do distrito de Entre Rios acomodavam-se nas janelas das casas e nas
calçadas para acompanhar a movimentação. Jovens, idosos, adultos e crianças:
toda população parou para prestigiar o Mega Encontro. “Nossa intenção sempre foi
fazer um movimento para celebrar a força do agronegócio brasileiro, que alimenta
o Brasil e o mundo. Cada condutor se esforçou ao máximo para concluir o percurso,
muitos deles com a bandeira do Brasil em seus tratores, em uma bela demonstração
de patriotismo. A comunidade abraçou o evento, incentivando cada tratorista que
passava”, lembra Jorge Karl.

Produtores rurais de diversas regiões do Paraná e de outros estados como Santa Catarina, São Paulo e Tocantins trouxeram seus tratores para o Mega Encontro, um evento pacífico, sem bandeiras partidárias, com o objetivo de evidenciar o trabalho no campo. “Conseguimos um número de tratores que mostrou a união de todos os agricultores, a força do agro. A seriedade com que o pessoal assumiu fazer parte disso foi impressionante”, enalteceu Cristian Abt, coordenador da comissão organizadora do evento. Embora não tenha sido homologado pelo GUINESS WORLD RECORDS® com o título de maior encontro de tratores do mundo, não há notícias de nenhum outro evento que tenha ultrapassado 1.500 tratores. “Foi um momento muito bonito, por isso vejo o saldo como positivo. Tenho certeza que se decidirmos realizar um novo Mega Encontro de Tratores teremos uma participação ainda maior”, finaliza Karl.

Sobre a Cooperativa Agrária

Fundada em 1.951, a Cooperativa Agrária Agroindustrial tem 680 cooperados e mais de 1.600 colaboradores. Suas principais culturas são a soja e o milho no verão e o trigo e a cevada no inverno. Suas indústrias são voltadas para o ramo alimentício através dos seguintes negócios: Agrária Farinhas, Agrária Grits e Flakes, Agrária Nutrição Animal, Agrária Óleo e Farelo, Agrária Sementes e Agrária Malte, esse último proprietário da maior maltaria comercial da América Latina.

A Agrária é mantenedora da FAPA
(Fundação Agrária de Pesquisa Agropecuária), referência nacional em pesquisa,
especialmente nos cereais de inverno. A Cooperativa também é mantenedora do
Colégio Imperatriz dona Leopoldina, da Fundação Semmelweis (hospital e
farmácia) e da Fundação Cultural Suábio- Brasileira. Em 2021, seu faturamento
foi de 6,5 bilhões.

Fonte: Gazeta do Povo
Podcast O Papo É com Guilherme Fiuza e Rodrigo Constantino – Gazeta do Povo

Compartilhe