Eleição da OAB terá chapa única apoiada por atual presidente da entidade

A eleição para a diretoria do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) terá chapa única. Só se inscreveu o grupo liderado por Beto Simonetti, atual secretário geral da instituição. Luiz Viana, vice-presidente da OAB e principal liderança de oposição a Santa Cruz, presidente da entidade, não conseguiu viabilizar sua candidatura. O pleito está marcado para o próximo dia 31 de janeiro. Embora seja vice de Santa Cruz, Viana chegou a lançar o movimento “OAB em defesa da advocacia”, em que cita existência de uma suposta politização dentro da entidade na atual gestão. Parte da cúpula da ordem aderiu a esta mobilização. O grupo chegou a divulgar nota, dizendo que o atual presidente usava o cargo com fins políticos. Para conseguir se inscrever nas eleições, os pré-candidatos precisam do apoio das 27 seccionais estaduais da OAB. Como os oposicionistas conseguiram apenas um apoio contra 26 de Simonetti,  não houve políticas para viabilizar uma chapa.

A eleição da OAB tem 81 conselheiros federais, sendo três de cada Estado e do Distrito Federal, que são eleitos de forma direta e, por sua vez, escolhem a nova diretoria inclusive o presidente. A posse e será já no dia seguinte da votação, 1º de fevereiro. O mandato é de três anos e, para ser eleita, a nova diretoria precisará receber a maioria dos votos válidos. Como só há uma chapa,  a escolha de Simonetti como novo presidente do Conselho Federal já é dada nos bastidores como certa. Tradicionalmente não há votos nulos ou brancos nas eleições. A chapa da situação foi denominada ‘OAB de portas’ abertas. O orçamento da entidade foi de R$ 109 milhões em 2021.

*Com informações do repórter Daniel Lian


Fonte: Jovem Pan