Dólar fecha a R$ 4,99 e acumula alta de 8% em três dias

Num dia de forte nervosismo no mercado internacional, o dólar aproximou-se de R$ 5, mesmo com o Banco Central (BC) intervindo no câmbio. A bolsa de valores caiu pela sétima vez consecutiva e atingiu o menor nível desde o fim de janeiro.

O dólar comercial encerrou esta terça-feira (26) vendido a R$ 4,991, com alta de R$ 0,115 (+2,36%). A cotação operou em alta durante toda a sessão e só não ultrapassou os R$ 5 porque o BC fez um leilão extra de US$ 500 milhões em contratos de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro.

Com o desempenho de hoje, a moeda norte-americana acumula alta de 8,04% apenas nas últimas três sessões. A divisa acumula alta de 4,83% em abril e queda de 10,49% em 2022.

No mercado de ações, o dia também foi marcado pela volatilidade. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 108.213 pontos, com queda de 2,23%. O indicador acompanhou os mercados norte-americanos e caiu, puxado por ações de bancos brasileiros, que divulgaram lucros menores que o previsto.

Dois fatores têm contribuído para a instabilidade do mercado financeiro global nos últimos dias. O primeiro é o aumento no número de casos de covid-19 na China, que reforça as expectativas de desaceleração da segunda maior economia do planeta por causa das medidas de lockdown adotadas em Xangai e a possibilidade de que o mesmo ocorra em Pequim. Isso acarreta a queda no preço das commodities (bens primários com cotação internacional), muitas delas exportadas pelo Brasil.

O segundo fator são declarações recentes de diretores do Federal Reserve (Fed, Banco Central dos Estados Unidos) de que o órgão pode aumentar os juros básicos norte-americanos além do esperado para segurar a inflação no país, que está no maior nível em 40 anos. Juros mais altos nos Estados Unidos estimulam a fuga de capitais de países emergentes.

As bolsas norte-americanas também foram afetadas pelas expectativas de juros mais altos pelo Fed. O índice Dow Jones, das empresas industriais, caiu 2,38% hoje. O S&P 500, das 500 maiores empresas, recuou 2,81%. O Nasdaq, das empresas de tecnologia, teve perda de 3,95%.

Fonte: Agência Brasil/EBC

Compartilhe