Dark web: dados de brasileiros já renderam R$ 88 milhões

Uma pesquisa da especialista em segurança digital Nord VPN revelou que criminosos já faturaram R$ 88 milhões na dark web comercializando mais de 720 mil dados de brasileiros. As informações vendidas incluem cartões de crédito, documentos de identidade e carteira de motorista.

Dentre a venda de e-mails, os brasileiros ficam em 20º lugar no ranking, com cada endereço custando cerca de US$ 9,99 cada (R$ 51,07 na cotação atual). Esse é quase o mesmo valor das identidades do país, que custam US$ 9,31 (ou R$ 47,60) e estão na posição 197 de 211. É comum essas informações serem comercializadas em grande quantidade.

Itens mais vendidos

Dados mais comuns são cartões, conjunto de identidades pessoais e carteiras de motoristaFonte:  Divulgação: Nord VPN 

Os itens mais comuns de se encontrar, segundo a Nord VPN, são respectivamente dados de cartão de crédito, conjuntos completos de dados de identidade pessoal e carteiras de motorista. No geral, as categorias mais acessadas são documentos, com 43% e dados financeiros, que representam 39% do total. Contas, e-mails e senhas somam juntos 18%.

No ranking que analisa todos os países, os passaportes constam como os itens mais caros, com uma média de cerca de US$ 600 por cópia (R$ 3.067,48 em conversão direta). No topo da lista estão checos, eslovacos e lituanos, custando mais de US$ 3.800 (ou R$ 19.427,37). Não há dados específicos sobre passaportes brasileiros.

Veja a postagem original em: TecMundo

Compartilhe