Caixa libera abono do PIS/Pasep; confira como saber se você tem direito

A Caixa Econômica Federal liberou o dinheiro do PIS/Pasep referentes ao saques aniversário e extraordinário. Segundo o Ministério do Trabalho, cerca de 10 milhões de pessoas têm direito a retirar valores, que podem chegar a até mais de R$ 3 mil por quem deixou acumular em 2019 e 2020. Quem tem direito a fazer as retiradas são cidadãos que trabalharam por, ao menos, 30 dias em 2019 ou 2020 com a carteira assinada e tenham recebido uma remuneração média mensal de até dois salários mínimos; também é preciso estar inscrito no PIS/Pasep há pelo menos 5 anos. Outro ponto importante é ter atualizado os dados do seu funcionário na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS/eSocial). Quem estiver com todos os requisitos, pode pegar o dinheiro até o dia 29 de dezembro. O PIS de 2020 pode chegar a R$ 1.212, e o de 2019 a R$ 1.100, de acordo com os salários mínimos desses anos, e o valor vai depender dos meses em que o trabalhador teve a carteira assinada. É possível consultar se tem direito e o valor a ser recebido no abono no aplicativo da Carteira de Trabalho Digital.

Os pagamentos podem ser retirados via conta corrente ou poupança na Caixa, poupança digital ou retirados presencialmente. Na conta corrente ou poupança na Caixa, o dinheiro pode ser sacado com cartão magnético e documento de identificação nas agências da Caixa, casas lotéricas, terminais eletrônicos e correspondentes Caixa Aqui. Se o beneficiário recebe pela poupança digital pode movimentar o valor no aplicativo Caixa Tem. Pelo Cartão Cidadão, é possível sacar nos terminais de autoatendimento, casas lotéricas e postos Caixa Aqui, desde que possua a senha e esteja de acordo com o calendário de pagamento. Na agências e guichê de atendimento presencial ao público, é necessário levar o documento de identificação oficial com foto e o número do PIS. Esse número pode ser checado no site do Meu INSS, pelo Cnis (Cadastro Nacional de Informações Sociais), no aplicativo do FGTS e no aplicativo Caixa Trabalhador.


Fonte: Jovem Pan

Compartilhe