As redes neurais simulam o raciocínio simbólico

*Este texto foi escrito por um colunista do TecMundo; saiba mais no final.

Cientistas da Universidade do Texas descobriram uma nova forma de as redes neurais conseguirem simular o raciocínio simbólico. No estudo, cada neurônio tem uma função especializada que pode se relacionar a conceitos mais específicos, o que representa uma descoberta fantástica, que abre caminhos para a união do aprendizado profundo e do raciocínio de inteligência artificial (IA).

A grande diferença nesta novidade é que a equipe eliminou a ‘retropropagação’, que é a base de muitos processos de IA. Esta retropropagação foi responsável por abrir redes neurais profundas para um treinamento eficiente usando métodos de otimização de gradiente descendente e essa, apesar da complexidade, não é a melhor forma de representar a mente humana. Esta é a grande chave deste processo: imitar o raciocínio humano; as redes neurais são construídas com bases no aprendizado.

O projeto integra ideias de filosofia da mente, psicologia, neurociência e inteligência artificial para explorar o funcionamento da mente humana. As pesquisas demonstraram que os ENNs podem descobrir novos algoritmos, semelhante às pessoas. Além disso, eles representam uma possibilidade de grande inovação na teoria neurocognitiva.

O contraste com as pesquisas prévias sobre IA é que o foco principal da pesquisa da Universidade do Texas era compreender o cérebro de uma perspectiva biológica, onde os neurônios são organizados de maneira hierárquica para chegar a conclusões sofisticadas. Assim, as formas de organização são incontáveis e o cérebro se mostra mais uma vez tão complexo quanto a filosofia da mente e a neurociência sempre demonstraram.

Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues é PhD, neurocientista, mestre psicanalista, biólogo, historiador, antropólogo, com formações também em neuropsicologia, neurolinguística, neuroplasticidade, inteligência artificial, neurociência aplicada à aprendizagem, filosofia, jornalismo e formação profissional em nutrição clínica. É diretor do Centro de Pesquisas e Análises Heráclito; chefe do Departamento de Ciências e Tecnologia da Logos University International, UniLogos.

Veja a postagem original em: TecMundo