Abel Ferreira cita caso Hamilton x Nelson Piquet para desabafar contra críticos do Palmeiras; confira

Abel Ferreira demonstrou que ficou incomodado com as críticas de palmeirenses após o empate em 2 a 2 com o Avaí, no domingo passado, 26, pelo Campeonato Brasileiro. Nas redes sociais, muitos torcedores detonaram o time e questionaram o treinador por ter preservado atletas considerados titulares do Palmeiras. Na última quarta-feira, 29, após a vitória sobre o Cerro Porteño por 3 a 0, o português desabafou contra os “cornetas” e explicou que o foco da semana era a partida de ida das oitavas da Libertadores da América. Em sua fala, o técnico citou até o recente caso de racismo sofrido por Lewis Hamilton – o astro da Mercedes foi chamado de “neguinho” pelo brasileiro tricampeão mundial, Nelson Piquet.

“Quero dizer que esse jogo começou a ser ganho na partida contra o Avaí, porque o treinador do Palmeiras acredita em todos os jogadores. O treinador do Palmeiras pede a todos os torcedores e agradece os que apoiam nossos jogadores em todos os momentos. O que peço é para acreditarem nos jogadores mesmo quando o treinador faz asneiras ou eles jogam mal. Isso é um verdadeiro torcedor, isso é ser palmeirense. Quem critica não lhe corre nas veias o que é ser palmeirense”, disse o português, em entrevista coletiva. “Aos que acreditam somente quando ganhamos, aos que só nos criticam, como diz o Hamilton: ‘é preciso mudar a mentalidade’. Os que já estão com isso na veia nos apoiam sempre”, completou. Na última terça-feira, vale lembrar, o britânico fez essa afirmação como resposta ao comentário racista de Nelson Piquet.

Na conversa com a imprensa, Abel Ferreira voltou a dizer que seus atletas nem sempre vão ganhar, mas fazem o melhor que podem, por isso têm de receber apoio da torcida, não questionamentos. “Os jogadores são gente séria, gente de caráter e que entregam tudo o que têm em cada momento. Esses jogadores merecem que acreditem em todos”, justificou. “Agradeço o apoio, as críticas, mas precisamos estar todos juntos em todos os momentos”, pediu. “Quem não faz asneiras? Quem é perfeito no trabalho? Não conheço ninguém perfeito. Dou a minha palavra de honra que todos trabalham e dão o máximo”, acrescentou o técnico, que volta a comandar a equipe no próxima sábado, 2, diante do Athletico-PR, no Allianz Parque, pelo Campeonato Brasileiro.


Fonte: Jovem Pan

Compartilhe