MAR GRANDE: Defensoria pede bloqueio de bens de empresa dona de lancha que naufragou e não acha propriedades em nome de sócios

Defensoria Pública do Estado da Bahia (DPE-BA) pediu o bloqueio de bens da CL Transporte Marítimo e dos sócios da empresa, responsável pela lancha Cavalo Marinho I, que naufragou e deixou 19 mortos em agosto do ano passado, mas não foram encontradas propriedades nos nomes dos envolvidos.

A informação é da defensora pública Soraia Ramos. Segundo ela, essa foi uma das primeiras ações da força-tarefa que busca indenizar familiares de vítimas e sobreviventes da tragédia. “Nós fizemos a primeira ação, que é chamada de ação cautelar, para pedir o bloqueio dos bens tanto da empresa quanto dos sócios, para uma futura indenização. Infelizmente, até agora, nada foi encontrado, nem em nome da empresa, nem em nome dos sócios”, disse a defensora.

A Defensoria se reuniu com familiares e sobreviventes da tragédia ontem, quarta-feira (28/3), na Biblioteca Central de Mar Grande, na Ilha de Itaparica. De acordo com Soraia Ramos ao G1, na reunião, a Defensoria falou com o grupo das próximas iniciativas que serão tomadas, como a inclusão do Estado e da União na ação que pede indenização. “Vamos continuar o atendimento e falar do resultado das ações que tivemos. Depois da perícia do Ministério Público do Trabalho que apontou que houve omissão, tanto do Estado quanto da União, vamos ajuizar ação contra o Estado; e a Defensoria Pública da União vai ajuizar ação contra União, para que esses entes possam também, junto com a empresa, custear os danos materiais e morais das vítimas e sobreviventes”, diz a defensora.

Leave a Reply