Homem detido e submetido a exame pelo caso Beatriz estava preso no dia do assassinato da criança

Na segunda-feira (30), especulações que circularam nos grupos do Whatsapp davam conta da prisão de um homem  em Lagoa Grande (PE), que teria confessado a autoria do homicídio da menina Beatriz, ocorrido em Petrolina no dia 10 de Dezembro de 2015.

O homem, conhecido como “Bocão Grande”, foi preso pela PM como suspeito de ser autor do assassinato brutal do jovem Jean Dorson Carneiro, de 29 anos, ocorrido no último sábado (28), em Lagoa Grande.

As autoridades que estão na investigação do caso Beatriz asseguraram que não houve confissão. O comandante da 7ª Companhia da PM de Santa Maria da Boa Vista, Major Costa, que recambiou o preso para a cidade vizinha, obteve a informação de que a polícia chegou até “Bocão Grande”, baseada em informações de testemunhas que ligavam o acusado ao crime de Jean. Major Costa garantiu que ele não confessou a autoria de nenhum dos dois crimes e que a possibilidade de ser o autor do homicídio de Beatriz se deu pela semelhança do acusado com o retrato falado divulgado pela Polícia Civil de Pernambuco.

Ele está sendo investigado pelo homicídio de um homem em Lagoa Grande. Porém, ele parece muito com o suspeito do Caso Beatriz. Vai ser colhido o material para exame”, disse a delegada Gleide Ângelo, que preside o inquérito do caso Beatriz.

Ela também afirmou que a saliva do homem foi colhida pela Polícia Científica, no IML de Petrolina, e que o material genético será comparado ao material recolhido na faca utilizada no crime de Beatriz.

No entanto, foi apurado que jo dia 10 de dezembro de 2015, dia do brutal assassinato de Beatriz Mota no Colégio Maria Auxiliadora, o suspeito,  Jailson José João de Sá, o “Bocão Grande”, se encontrava preso. Ele foi preso no dia 2 de dezembro de 2015 e somente liberado, através de alvará de soltura, no dia 10 de maio de 2016. *PNB

 

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *