Técnica forense identifica criminosos pela voz ou imagem

O WhatsApp Messenger, aplicativo de mensagens instantâneas vastamente conhecido e utilizado, vem sendo empregado por criminosos para transmitir arquivos de áudio e vídeo e difundir boatos com o intuito de assustar a população. Através da análise do material pela Coordenação de Perícias em Audiovisuais do Departamento de Polícia Técnica (DPT), a polícia baiana já tem meios para identificar quem se utiliza dessa ferramenta tecnológica.

Os arquivos de áudio são examinados pela Fonética Forense – ciência que identifica características da fala humana – e confrontados com gravações realizadas no local com os suspeitos, com auxílio de equipamentos e software de ponta. Tal estudo é possível porque a fala humana tem traços individuais identificáveis, segundo afirmou a especialista em Fonética Forense, a perita criminal Zidalva de Souza Moraes.
“A qualidade vocal é única, assim como a impressão digital”, salientou, observando que “a forma de falar, as gírias, o sotaque e todo o dialeto ajudam a identificar a pessoa e até a facção criminosa que integra”.

O diretor do Departamento de Inteligência da Polícia Civil (DIP), delegado Ivo Tourinho, garante que a perícia fonética consegue confirmar a autoria de determinado áudio ligando-o ao suspeito. “O laudo emitido pelo DPT é uma prova objetiva. Com ele, a Polícia Civil pode responsabilizar o criminoso pelo conteúdo difundido”, frisou o delegado, observando que o documento pode ser utilizado em juízo. (SSP/BA)

 

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *